Se você nunca ouviu falar do Dinneer e, assim como eu, é usuário assíduo do Uber e do Airbnb, leia o texto até o final. Vale a pena! 🙂

Seguindo a onda da economia colaborativa, o Dinneer foi criado por brasileiros como uma plataforma de jantares compartilhados, que faz a alegria tanto de quem ama cozinhar e está louco para conhecer gente nova enquanto ganha uma grana extra, quanto de quem está a fim de viver uma experiência exclusiva e chacoalhar a rotina do “sair para comer”.

E o que isso significa?

Da mesma forma que hoje você tem a opção de se deslocar ou se hospedar em carros e casas “de verdade” (com donos reais) ao invés de taxis e hotéis, no Dinneer você pode comer comida caseira de verdade (feita especialmente para você), num ambiente tão aconchegante quanto sua própria casa.

Com isso, sua experiência de almoçar ou jantar fora se torna muito mais exclusiva e personalizada do que simplesmente ir a um restaurante qualquer.

E, além disso, você ainda tem a oportunidade de conhecer pessoas diferentes e matar a saudade da comida brasileira (e de falar português), caso esteja fora do Brasil.

Como funciona o Dinneer?

Funciona assim: brasileiros (morando no Brasil ou em qualquer lugar do mundo) que amam cozinhar e receber pessoas em casa têm a oportunidade de se cadastrar no Dinneer como anfitriões e escolher um prato especial para servir aos seus futuros “clientes”.

Anfitriões são como chefs que, ao invés de servir num restaurante, recebem os clientes em casa

Esses clientes nada mais são que usuários do Dinneer (como eu e você) que, ao entrar no site, têm acesso a uma lista de anfitriões e podem escolher o que querem comer (qual cardápio), onde querem comer (qual lugar da cidade) e quanto querem pagar (os valores são definidos pelos anfitriões e ficam disponíveis ao lado de cada prato). A reserva e o pagamento são feitos no próprio site.

Como ser anfitrião no Dinneer

Depois que o anfitrião se cadastra no Dinneer e informa os detalhes do cardápio que deseja servir, a aprovação é simples e rápida (no meu teste, levou apenas 15 minutos) e logo ele começa a aparecer no site, categorizado pela cidade onde mora.

Para as pessoas interessadas apenas em comer, o cadastro é super fácil e recebe aprovação imediata. Esse cadastro só é necessário para realizar uma reserva − se você quiser apenas espiar os anfitriões da sua cidade, não precisa cadastrar.

regras cliente dinneer

Dinneer já está presente em diversos países, como Espanha (Barcelona), Argentina (Buenos Aires), México (Cidade do México), Irlanda (Dublin), Portugal (Lisboa), Peru (Lima), Inglaterra (Londres), Itália (Milão, Roma), Estados Unidos (Miami, São Francisco), França (Paris), Chile (Santiago), Austrália (Sydney), Canadá (Toronto, Vancouver) e, claro, Brasil (Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo) – a lista vem aumentando rápido.

Quem pode ser anfitrião?

Qualquer pessoa. Tudo que você precisa é se dispor a servir e dividir sua casa com pessoas desconhecidas. Uma vez que você esteja cadastrado no Dinneer como anfitrião, alguém pode fazer uma reserva a qualquer momento e, nesse caso, você precisa estar pronto para comprar os ingredientes, preparar o prato e organizar a casa para receber os convidados.

Não existem regras ou exigências em relação à experiência na cozinha (você não precisa ser chef ou ter trabalhado num restaurante para ser anfitrião), à localização da casa (você pode morar em qualquer lugar), ao prato (você pode servir o que quiser) ou ao espaço, desde que não seja um ponto comercial.

regras anfitrião anfitriões dinner

Para ser anfitrião do Dinneer, não importa a idade e está tudo ótimo se a você tiver animais de estimação, morar com a família inteira, tiver uma casa pequena ou servir pratos exclusivamente veganos. Todos esses detalhes ficam disponíveis antes da reserva para ser consultados pelos potenciais clientes que, assim, podem escolher sem risco de surpresas.

Como reservo um almoço ou jantar?

É relativamente simples. Basta acessar o site www.dinneer.com e informar sua localização no campo “descubra na sua cidade”. Ao clicar em “pesquisar”, surgirá uma lista com todos os anfitriões da sua cidade.

Aí, basta escolher o que mais combinar com o que você está buscando. No meu caso, eu sempre procuro os locais próximos de mim (por preguiça de atravessar a cidade) e que sirvam cardápios diferentes do que estou acostumada (amo experimentar coisas novas!).

Tem app para o celular?

Não, mas espero que essa resposta se torne obsoleta em breve. Certamente um aplicativo será lançado, mas, até o momento, todas as reservas precisam ser feitas pelo computador (ou pelo celular, usando o navegador).

É seguro?

Foi essa pergunta que eu fiz quando entendi como o Dinneer funcionava. Honestamente, me bate uma insegurança quando penso em me deslocar para um lugar desconhecido para jantar − se eu fosse anfitriã, também ficaria com medo de receber gente estranha em casa (especialmente sabendo que o Dinneer, pelo menos por enquanto, não checa as pessoas que se cadastram minuciosamente).

Só que, ao mesmo tempo, eu penso em outras plataformas que uso e lembro que nunca corri nenhum risco ou sequer tive imprevistos.

Então, apesar dessa minha insegurança, acredito que antes que bandidos ou golpistas dêem as caras na plataforma (olha minha paranóia), já vai ter anfitriões cheios de avaliações positivas para a gente selecionar.

Quanto a colocar dinheiro numa plataforma que acabou de surgir, relaxa. O Dinneer é sério e funciona, já apareceu em dezenas de reportagens na mídia.

Mesmo que você tenha algum perrengue com algum anfitrião (especialmente agora no começo), o site vai te resguardar no que for necessário − e eu digo isso por feeling mesmo e também porque já aconteceu comigo.

Numa das minhas primeiras tentativas de reservar o Dinneer, paguei cerca de 90 reais num jantar que supostamente seria servido perto da minha casa.

A minha anfitriã, no entanto, me mandou uma mensagem cancelando tudo, com a seguinte justificativa “moro com meu namorado e ele não me autorizou a cozinhar aqui”. Mandei um e-mail contando o que aconteceu e o Dinneer me reembolsou em seguida.

Minha experiência

Sendo bem sincera, eu amo a proposta do Dinneer, mas enxergo muito espaço para melhoria. Não sou fã de como o site é hoje (acho difícil de usar e pouco prático), mas entendo que é só o começo e acredito que muito em breve a experiência do usuário vai ficar satisfatória.

Ainda não ter app para celular também me incomoda e eu considero esse o detalhe negativo que mais impacta minha experiência. Acho muito trabalhoso ter que entrar no site todas as vezes que preciso checar minha reserva.

O fato de ainda não ter muitos anfitriões na minha cidade também faz diferença para mim, obviamente. Nesse caso, eu sei que é questão de paciência. Quando o Dinneer estiver bombando como o Airbnb, os restaurantes que se cuidem! 😛

bastidores experiencia dinneer

Se eu recomendo para alguém?

Sim, definitivamente. Eu mesma continuo entrando no site para procurar novos anfitriões e estou aberta a uma nova experiência. Além disso, se eu gostasse de cozinhar, me cadastraria como anfitriã sem pestanejar.

Me sinto realmente movida quando me deparo com plataformas que promovem colaboração e compartilhamento.

Apesar da sensação de estar sendo arrancada da minha zona de conforto, me sinto também inspirada com essa oportunidade de me desconectar por alguns instantes e experimentar, durante uma refeição, estar presente com as pessoas.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorMeus 15 dias de Whole30 (antes e depois)
Próximo artigoUm dia inteiro no ateliê do Douglas Marchione
Nasci em Brasília e fiz faculdade aqui. Sou louca por animais, mas abandonei a veterinária para empreender (e trabalhar em casa de pijamas). A paixão por viagens começou em 2010, quando me enfiei num navio em direção ao Egito. Hoje, trabalho exclusivamente com marketing digital, tenho 2 gatas e já passei por 42 países. Sonho ter uma vespa bege, dar a volta ao mundo e juntar oito dígitos no banco – e minha jornada em busco disso, você acompanha aqui.

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here